After years trying to be someone else

I forgot what was being myself

You have no idea, my lady

What it feels to be the last one in a sheet of excel

 

I don’t know what you are doing here

Are you looking for much more disgrace?

I was left on the arms of my death

Still my love was present all those days

 

Having all that neglecting for years

My mind could no more speak out

I was left with my devils and tears

And three boxes of my clothes and doubts

 

Justice is a sweet word a pronounce

My eyes finally opened up to this view!

From the wings I see you flying with

I possess maybe a feather or two.

 

Lidi Satier

Deb

Uma das canções que mais fundo me tocam a alma.

Deb (Heartbroken)

If I were a bird I would fly in the sky
If I were a little bird or a little pigeon

I would travel over mountains and rivers
Maybe, in this very moment, I’d manage to forget
My pains
My heart has molten away
My heart, that one of mine

If I were a wave wandering from sea to sea
If I were a fish I’d keep on traveling

I would travel over mountains and rivers
Maybe in this very moment I’d manage to forget
My pains
My heart has molten away
My heart, that one of mine

If I were a leaf wandering from one place to another
I let myself be carried away by the wind before the fall,
I leave this garden

I would travel over mountains and rivers
Maybe, in this very moment, I’d manage to forget
My pains
My heart has molten away
My heart, that one of mine

Feito mistério

Então
Senti que o resumo é de cada um

Que todo rumo
Deságua em lugar comum

Então eu monto num cavalo
Que me leva a Teerã
E não me perco jamais
Quando eu desespero vejo muito mais

Essa canção me rói feito um mistério
Essa tristeza dói

Meu fingimento é sério
Como aéreo é sempre todo amor

The day I found you

Past loves always left me so dismayed,
just a sad charade, I withdrew,
Feelings were something oh so coutefeit,
I was longing exquisite and true blue,

Then you walked in and much to my surprise
I couldn’t keep my eyes off of you,
All my blues were soon departed,
My heart outsmarted was beating anew,
Every single dream became roses and clover,
Every single scheme was I must win you over,
Now every single day is filled with the feeling,
No more I’ll be concealing, your heart I’ll be a stealing,

So, let’s swim and sun, sing and dance a lot,
I’ll be Lancelot, you’ll be you,
I have found a world I never knew, the day that I found you,

Now, every cloudy day just cannot change this phonetic,
Can I be more emphatic, my heart is so ecstatic,

So come along and be my pollywog,
Oh when you kiss this frog you know it all came to,
I have found a world I never knew,
From just the vibrant voodoo that you do,
I found true love the day that I found you.

Passou uma brisa

I see the stars in your eyes
Portraying my face in the future
Nice is the weather outside
But I’ll stay at home
Oh! Waiting for the rain

Memories of when we were young
Wishing so bad to be older
Now you may look to the past
The only way forward

Lightning up another cigarrette
Playing cool while cracking up inside
Saying hi to people’s like saying goodbye
Laughing, but wishing to cry

Gentle change of tides
Upcoming days
Oh, the spirits of a new horizon fall
Into old dreams

Standing here howling at the storm
Shouting how life could be perfect
Well, then the walls have to fall
To start it again

Gentle change of tides
Upcoming days
Oh, the spirits of a new horizon fall
Into old dreams

Far away from sights
Oh, hidden in the haze
Oh, oh, spirits of a new horizon fall
Into old dreams
Into old dreams

Far away from sights
Oh, hidden in the haze
Oh, oh, spirits of a new horizon fall
Into old dreams

Voltamos a uma programação quase normal

Eita que passou tempo!

Voltei ao meu site. Um look novo e temporário. Sessão de fotos novas a caminho, assim como novo layout.

Saudade do meu espaço de falar coisas em mais de três linhas, que é o que rola no FB. Saudades de escrever outras coisas que não projetos, avaliações finais dos mesmos e outras coisas da vida de produtora.

Escrever (o que quer que seja) é um exercício que me ajuda em outras escritas. Poemas e letras se beneficiam desse treino. Ideias novas brotam.

Analisando (essa cadeia hereditária), muita coisa passou debaixo dessa ponte. Jiló fica longe do que passei, mel fica longe da doçura que me encontrou este ano. Como foi seu 2015 até agora? Quanto a mim, fiz um show de come back de cantora no Clube do Choro, casa que sempre me acolheu com tanto carinho. Tenho projeto de novos discos que oxalá se iniciem até o fim do ano. Muita montanha visitada, muita gente que dá aquele conforto da paz, muita responsabilidade. Descobri o Krav Magá, descobri gente importantíssima para minha vida, redescobri meus biscoitos de lavanda. Estou tentando largar mão do queijo, mas está difícil. A senhora Ostra que vos fala é bem diferente daquela do último post – mais cri cri, mais ranzinza, mais realista, mais racional (Deus ajude!), mais doce, mais forte, mais feliz (quem sabe).

Bora que tem muita prosa.

Novidades

Galheeeeera, seguinte: estarei de viagem pelas próximas três semanas. Vou para a Holanda (e, se der tempo, para outros lugares próximos), e lá meu acesso à internet é bastante restrito. Por isso, a quantidade de updates aqui no bloguinho e nas redes sociais vai diminuir consideravelmente.

Na Holanda, além de atividades familiares (levantamento de copo, comelança de batata, andar 2468746854km de bicicleta em grupo, etc), vou participar de um grande festival chamado Dias Latinos. É a primeira vez que vou atuar em um festival exclusivamente dedicado à música “latina”. Estou muito feliz. Fui chamada a participar como cantora convidada à apresentação de amigos da minha antiga banda: Te Cutuco. Pois é, este era o nome da minha banda na Holanda. Tocávamos principalmente sambas e bossa nova, com um enfoque maior na bossa. O tempo passou, eu mudei para Hong Kong, mas o contato com minha galera da música na Holanda, felizmente, permaneceu. Será muito bom tocar com eles de novo.

Acho que é só isso por enquanto. Em Setembro a gente volta (a não ser que eu consiga uma conexão por lá)

Beijão!

Michel Teló, eu te perdoo

Tchê tchê re re tchê tchê tchê… vem ver a Lidi Satiê tchê re re re….

Michel Teló nunca me fez nada. Não o conheço, ele também nunca me viu nem mais gorda, nem mais magra. Ele desconhece tanto minha existência quanto meu repertório. Eu, por coerção social (ma oê, Níldson), conheço duas músicas que este cantor conseguiu emplacar na mídia. Pra falar a verdade bem verdadeira, eu concordo com o geral que proclama ser este tipo de música bastante irritante; muito mais pela infeliz frequência a que somos obrigados a ouví-la que pela ‘qualidade’ em si.

Se esta música tem ou não qualidade, se é dançante e, por consequência, ruim; se é o ópio do povo, se ela toma o lugar na mídia que antes era destinado ao que era bom… isto eu não sei. É certo que os meios de comunicação tradicionais dão muito mais relevância a este tipo de trabalho e, de alguma forma, isto acaba tomando um espaço que poderia ser destinado à música brasileira mais rebuscada. No entanto, custa-me horrores acreditar que, em pleno 2012, num mundo onde já se gasta muito mais tempo na frente do computador que na frente da televisão, artistas e – principalmente – consumidores ainda reclamem de não haver espaço na mídia e, pior ainda, gastem um tempo e espaço online preciosos numa atividade sem sentido (por não ser nem construtiva, nem destrutiva): o apedrejamento de cantor popular.

Quando eu vejo um Michel Teló, um Luan Santana, um Gustavo Lima emplacando hits, eu fico feliz por eles. Esses meninos conseguem aquilo que o resto da MPB inveja: investimento de grandes gravadoras que lhes dê destaque, fama e dinheiro. Eles podiam estar matando, eles podiam estar roubando, mas eles estão só colocando à disposição uma infinidade de vogais e onomatopéias ritmadas para que a galera consuma. No entanto, o que eu não posso admitir, é que se gaste mais tempo com tentativas de propaganda negativa nas redes sociais que com propaganda positiva para artistas independentes. No Facebook, por exemplo, eu vejo uma constante tentativa de apedrejamento a esses cantores de destaque. É um tal de “Desculpe mas eu ouço Coltrane, não posso fazer nada se você prefere Michel Teló”; “afff, você curte Luan Santana, prefiro Beatles”, etc. Uma mistura de um elitismo cafonérrimo e despeito monstruoso pelo sucesso alheio. O que estas frases mudam na vida desses cantores? Absolutamente NADA. Eles continuam tocando na rádio, no programa do Fausto Silva, no bar da esquina, e seguem fazendo 9 shows por semana.

Agora, o que muda para nós, cantores independentes, quando você fala bem de nós na sua rede social? Muda muita coisa. Gente que não nos conhecia passa a conhecer. Eu mando meu clipe pra você, você o coloca no seu mural e BUM! Mais uma centena de visualizações do meu clipe, mais um tanto de disco que a gente vende, mais um tanto de gente que vai aos nossos shows. Afinal, esta é a NOSSA mídia, este é o nosso lugar de divulgar nosso trabalho. E está muito bem assim, já que, como falei acima, passa-se hoje muito mais tempo ao computador que à TV.

Vou me colocar como um exemplo. Eu comecei com essa loucura de gravar disco há uns quatro anos, entre escolher repertório, contratar o produtor, sacar minha onda, direcionar os rumos da minha carreira. Batalhei, juntei uma grana e fui gravar disco. Depois, constatei que eu precisava me inserir em algum meio de comunicação, qualquer um… e, para minha felicidade, eu tenho um computador e uma conexão de internet. Mas, para me projetar nesse meio, eu precisava de algum material audiovisual. Trabalhei mais, juntei mais um dinheiro e fiz um clipe. Hoje, eu vendo meu CD independentemente online, via Facebook, para todo o Brasil. Meu video clipe já possui mais de 5000 visualizações no Youtube, graças às redes sociais. Faço meus shows e já estou pensando num próximo projeto. É lógico que eu ainda não posso viver exclusivamente de e para a música, mas tenho certeza de que meu tempo chegará. A propaganda virtual boca-a-boca é poderosa e é nela que está o futuro da música no geral. Pouco a pouco vou ganhando meu espaço, conquistando ouvintes e fazendo um clubinho de pessoas que curtem o meu trabalho. Rede social é coisa séria demais para mim, pois é meio único veículo para alcançar o público. E isto é importante demais para que eu me veja calada no meio a esta maré insossa de “não quero tchu nem tcha, quero Tchaikovski”.

Portanto, Michel, Gustavo, Luan, e qualquer outro que tenha se transformado em antítese “do belo, do sublime”: não que isso vá mudar em nada a vida de vocês mas, para mim, vocês estão perdoados. Sigam fazendo aquilo que vocês querem fazer, ganhem a grana de vocês e aproveitem muito esta onda de sucesso. Definitivamente, não vou seu eu a colocar o nome de vocês na boca do sapo. E para os amigos que não querem dar uma fugidinha com o Teló, nem ser o meteóro de paixão de Luan, eu peço: deixem-os pra lá. Procure um artista independente para divulgar na sua mídia ao invés de devotar tanto tempo e negativismo para quem já é sucesso. A internet é nossa, dos independentes. Construamos juntos a música na qual acreditamos. E deixem o tchu-tchá seguir seu curso sozinho.

Saudade

Saudade é uma manhã linda de sol que não faz o menor sentido por não se estar junto de quem se ama.

Saudade é quase sentir o cheiro, quase poder tocar, quase poder olhar nos olhos. É semi-materializar alguém a quem se quer bem, mas continuar sem nada concreto. É ter e não ter; é ver sem ver.

É preparar presentes, é fazer colcha de retalhos; é acordar chamando ‘MÃE!!’, ‘PAI!!!’ e só encontrar o criado mudo e sua pilha de contas a pagar. Ter saudade é viver a cada dia sonhando reencontros, imaginando abraços, planejando refeições juntos. É lembrar a risada do ser amado e, apenas por isso, sorrir.

Saudade é o ônibus se perdendo na estrada e ganhando a linha do horizonte; é ouvir aquela música só pro coração doer um pouquinho mais e, nessa dorzinha boa, achar uma razão pra respirar fundo e tocar o dia adiante.

Saudade é aquela coisa toda que não leva a lugar nenhum, mas à qual ninguém neste mundo está imune. É esse sentimento universal intraduzível pra um montão de idiomas, mas que a gente encontra em toda e qualquer esquina no planeta. Saudade é o dolorido lado de cá do telefone.

Saudade é a lagriminha salgada que corre. Hoje, aqui, agora. Sal-dade.

MAKING OF!!!

Povo lindo, povo amado, povo cheiroso.

Na madrugada de hoje publicamos o making of do clipe de Em Algum Lugar e da sessão de fotos do disco TEIA. Foi muita luta para chegar até aqui, vocês sabem. Não é fácil para artista independente, blablabla, não vou reclamar da vida. Hoje, vendo este Making Of fantástico é que eu pude perceber o quanto nós conquistamos até aqui. E digo ‘nós’ porque este resultado final é o esforço de um tanto de gente. Por isso, quero agradecer:

-Tuca Oliveira e Vanessa Pinheiro. Eu não poderia pedir por parceiros mais talentosos e profissionais que vocês. Vocês são um exemplo de profissionalismo, de foco, de talento. Amigos. Irmãos.
-Claudio Venturini. Nossa parceria começou num momento depois de um show no Rio, como ele mesmo conta no vídeo. Sou de uma gratidão infinita por ter topado gravar comigo, uma total desconhecida. Mas a parceria não acaba aqui. Já estamos escrevendo música juntos e tenho certeza de que muita coisa boa há de sair daí.
-Bruno Fioravante e Michelli Marques, por terem dado uma qualidade às fotos e aos vídeos que é de um padrão top de linha. Nem nos meus sonhos mais fantasiosos eu pensava que iria ter videos com uma qualidade tão excelente. Valeuzão de coração mesmo.
-Hamilton Pinheiro, Juninho di Souza, Pedro Martins e Rafael dos Santos, por colocarem seu conhecimento musical na faixa Em Algum Lugar. Muito obrigada!
-A galera da Nave de Prata, Igor Sebastian, Monica e Isio. Sem a força de vocês a parceria com o Claudio não teria nem começado 🙂
-A todo mundo que me vem adicionando no Facebook, Twitter, Instagram e que tem curtido bastante não só a canção Em Algum Lugar como também as outras do disco. Sem vocês a gente não anda, pessoal.
-E um abraço especial às quase 5000 pessoas que prestigiaram o clipe!!!

Aí vai o Making Of, pessoal. Depoimentos de Claudio Venturini inclusos :). Espero que gostem!